Marcas do tempo

As marcas do tempo já lhe talhavam o rosto. A vida já lhe ensinara muito. Já não era mais aquela pessoa ansiosa e ambiciosa. Planejava pouco. Queria pouco. Esperava pouco. O luxo material já não era algo que lhe encantava. As coisas simples eram as que mais lhe importavam. Um abraço. Um beijo. O nascer e o pôr do sol. O barulho do mar. Uma gargalhada. Uma caminhada. Os amigos.

A essa altura tinha já vivido o suficiente para estar no caminho que gostaria de estar.