Sede do novo

“O espírito tem sede do novo, um objeto deve substituir o outro… E o que resta no fim, senão a entediante repetição da mesmíssima coisa?” ― Balder, amigo de William Lovell, no romance de Ludwig Tieck.