Sede do novo

“O espírito tem sede do novo, um objeto deve substituir o outro… E o que resta no fim, senão a entediante repetição da mesmíssima coisa?” ― Balder, amigo de William Lovell, no romance de Ludwig Tieck.

Pêndulo

“A vida assim oscila, como um pêndulo, da direita para a esquerda, entre o sofrimento e o tédio” ― Schopenhauer

Manto de tédio

“Eu me dizia, assim, que os homens são consumidos pelo tédio. Naturalmente, temos que refletir um pouco para perceber isto ― não é coisa que se veja de imediato. Vamos para cá e para lá sem vê-la, a aspiramos, a comemos, a bebemos, e ela é tão fina que nem sequer range entre nossos dentes. Mas basta pararmos por um momento, e ela assenta como um manto sobre nosso rosto e nossas mãos.

Temos de estar a sacudir constantemente de nós essa chuva de cinzas. É por isso que as pessoas são tão agitadas.” ― George Bernanos, Diário de um pároco de aldeia

Tédio

“Não é o tédio a doença do aborrecimento de nada ter que fazer, mas a doença maior de sentir que não vale a pena fazer nada. E, sendo assim, quanto mais há que fazer, mais tédio há que sentir”. ― Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

Nothing

“Why is there nothing rather than something” ― Jean Baudrillard

Sobre o direito de protagonizar – Ricardo Silas

De todas as “regras” de ativismo que já vi nas redes sociais, a mais idiota é a que defende o protagonismo na luta por direitos. Na maioria dos movimentos organizados, a ideia do protagonismo tem ganhado a mesma sobrecarga que um dogma, e, para quem busca maior visibilidade em suas manifestações, a vivência se tornou o ingrediente mais requisitado. Ou seja, cada grupo específico tem o seu estúdio particular, onde as mulheres vítimas do machismo, os negros alvos de racismo e os gays sangrados pela homofobia devem impedir a participação de homens brancos e héteros na militância, por portarem as características biológicas dos opressores.

fonte: http://www.bulevoador.com.br/2015/09/sobre-o-direito-de-protagonizar/

what is real

On Dialogue (Routledge Classics) by David Bohm
— As Chilean biologist Humberto Maturana says, “when one human being tells another human what is ‘real’, what they are actually doing is making a demand for obedience. They are asserting that they have a privileged view of reality.”

sobre empatia – Brené Brown

“Empatia é se conectar com o sentimento que alguém está experimentando, e não com o acontecimento ou a circunstância.”

— Brené Brown em “A coragem de ser imperfeito: Como aceitar a própria vulnerabilidade, vencer a vergonha e ousar ser quem você é pode levá-lo a uma vida mais plena”